27/01/2015

Mistérios da Chapada Diamantina


Saudações amigos e amigas. Hoje volto a compartilhar uma postagem da série "Histórias e Lendas Brasileiras". Essa série tem por princípio falar de lendas, curiosidades, histórias, lugares...etc, de diferentes partes do Brasil, contando ao máximo com as dicas de vocês leitores. Essa série, que foi dica do nosso grande amigo Sílvio, já contou com diversos textos, alguns dos quais bastante marcantes no blog Noite Sinistra. Hoje apresentaremos uma matéria a respeito da chapada Diamantina e suas lendas e mistérios. Nesse texto poderemos conhecer alguns relatos de ordem ufológica, lendas regionais, teorias a respeito da presença de povos como os Sumérios e os Fenícios.

OVNIs e mistérios na Chapada Diamantina

Situada no Estado da Bahia, a Chapada Diamantina é um dos lugares mais belos e estranhos do Brasil. Quem vê seus exuberantes rios, cachoeiras, fauna e flora, não imagina os estranhos eventos ocorridos naquela região. Essa paisagem maravilhosa esconde inúmeros mistérios. Os moradores e os turistas testemunham os mais bizarros acontecimentos: luzes estranhas no céu, gritos, berros e ecos aonde não há nada, criaturas que perseguem os turistas no meio da escuridão e falam um idioma desconhecido, enfim, os relatos são tantos que a Chapada terminou ganhando uma linha de turismo específico, voltado apenas para explorar essas estranhezas.


E o turismo ficou ainda mais forte quando os estudiosos do misticismo começaram a apontar a Chapada Diamantina como um dos sete locais do mundo que possuem uma entrada para Agartha, reino lendário que ficaria no subterrâneo, próximo ao centro da Terra e lar de Melquisedec, um ser com poderes fantásticos, intitulado “Rei do Mundo” que aparece em escritos antigos de diversas culturas e segundo a lenda acompanha a Humanidade desde o seu inicio e auxilia na evolução gradual que ela sofre.

Igatu, uma cidade fantasma localizada na Chapada Diamantina, já teve 15 mil habitantes no auge da exploração das pedras preciosas, hoje não chega a ter 300. As ruínas que lembram vagamente Machu Picchu (clique AQUI para ler o texto sobre Igatu publicado aqui no Noite Sinistra) são alvo de eventos fora do comum. Dizem que constantemente é possível ver as luzes que rodeiam o pequeno vilarejo.


Outra interessante história a respeito desse tão belo local do território brasileiro tem haver com os Manuscritos 512 (clique AQUI para ler sobre), que são um documento que relata uma exploração iniciada em 1753 ao interior da região nordeste tendo como líderes Francisco Raposo e João Silva Guimarães. O documento aponta para a descoberta de uma cidade rica em ouro. De acordo com dados contidos nesse documento acredita-se que essa cidade perdida se localiza na região da Chapada Diamantina - há que acredite que essa cidade seja Igatu.

Os habitantes tem medo, boa parte devido as terríveis lendas que são passadas de geração em geração. Falam que mesmo no século XIX, quando iniciou a exploração das pedras preciosas e a cidade estava cheia, os casos de desaparecimentos já eram comuns. As “luzes” adentravam as estreitas ruas e levavam as pessoas das suas casas.

Ainda da época do exploração, os garimpeiros afirmavam que para encontrar um diamante, era necessário acontecer o que eles chamam de “Bamburrio”, é uma espécie de magia entre o garimpeiro. Os garimpeiros de coração aberto tinha um diamante predestinado, e que esse chamado, nome dado a esta luz por eles, era o sinal já que apenas um garimpeiro podia observar esse fenômeno.


Esses contos terminaram por se enraizar pela região e ao invés de afastar os turistas, os atraiu. A Chapada Diamantina hoje é uma das principais paradas do “turista místico” por causa desses acontecimentos um tanto assombrosos.

Morro do Camelo

Presença de povos antigos de além mar

O formato peculiar de alguns morros também são alvo de teorias. Algumas pessoas acreditam que formações como o Morro do Camelo (foto acima) e o Morro do Chapéu (foto abaixo), não são formações naturais. Essas pessoas acreditam que povos antigos, que estiveram no Brasil muito antes da época que os portugueses chegaram aqui, construíram essas estruturas, que na verdade seriam templos, ou alguma Necrópole de um importante governante, a exemplo que que muitas pessoas pensam do morro da Gávea.

Esses supostos povos também teriam sido responsáveis pela construção de Igatu, que era o local onde se concentrava a mina de exploração de pedras preciosas, motivo pelo qual esses povos estariam no Brasil.

Morro do Chapéu
Sumérios, Fenícios e até Vikings são apontados pelos entusiastas dessas teorias como possíveis construtores desses monumentos de pedras e da cidade de Igatu.

Aqui no blog Noite Sinistra, já abordamos diversos textos que falam de histórias envolvendo a presença de povos antigos (principalmente fenícios e sumérios) no nordeste brasileiro. Se os amigos e amigas se interessam pelo assunto aconselho a leitora dos textos: "O misterioso Açude Velho dos Caboclos" (clique AQUI), "Inscrições na Pedra do Letreiro" (clique AQUI) e "As misteriosas inscrições da pedra de Ingá" (clique AQUI), além dos dois textos já citados acima. Em todos esses textos existem outros links para outras postagens com essa mesma temática.

Se você não é muito inclinado a acreditar nesse tipo de teoria, apenas desconsidere o parágrafo acima, ou tome o assunto como uma forma de curiosidade.


Registros Ufológicos da Chapada Diamantina

Existem muitas ocorrências de supostos casos de avistamentos de OVNIs em tudo quanto é parte do mundo, sendo que muitos desses relatos datam de muitos anos atrás. O mesmo acontece com a região da Chapada Diamantina, onde o primeiro registro que temos conhecimento data do ano de 1882. Trata-se de uma ocorrência descrita no livro do autor Baiano M.M Freitas, de título ¨Estradas e Cardos¨. Onde ele narra como que em uma noite, um painel colorido foi visto por ele sobrevoando as montanhas ao redor de Mucugê. Naquela época não se falava em Discos Voadores ou OVNIS, devido a isso o escritor ficou abobado sem poder entender a sua experiência. Ele presenciou a aparição de um OVNI, mas a chamou de ilusão de ótica após não ter conseguido compreender o fenômeno.

Mucugê é uma região de forte Casuística Ufológica, assim afirma também o Artista Plástico morador de Lençóis conhecido por Jotacê. Ele relata que as cidades de Lençóis, Mucugê e Morro do Chapéu, são os locais onde ocorrem fenômenos Ufológicos com maior frequência. Jiovaldo Chaves de Araújo mais conhecido por Jotacê, possuía 64 anos no momento em que relatou a sua experiência a uma publicação que aborda o tema chamada Revista UFO. Ele revelou que já presenciou uma quantidade considerável de fenômenos Ufológicos na região. Ele conta que as luzes variam de cor, podem ser azuis, vermelhas, brancas, cintilantes ou fixas como o farol de um carro.

Uma das suas experiências mais marcantes, ocorreu enquanto ele estava na presença de mais duas testemunhas em meados do ano de 1997. Jotacê e as demais testemunhas chamadas Eraldo e Roque, seguiam em direção a rodoviária da cidade de lençóis. Subitamente ao olharem para cima, puderam observar uma luz de cor azul que se aproximava silenciosamente. Eram mais ou menos 19:00 h da noite quando isso aconteceu, uma das testemunhas chamada Eraldo pronunciou alguma palavra e a luz se distanciou até desaparecer parecendo ter ouvido as testemunhas.

Curiosa pintura rupestre da Serra das Paridas, na região da Chapada Diamantina

Outra testemunha dessas experiências Ufológicas é conhecido por Tiãozinho. Que na companhia de outros moradores de Lençóis, fez uma vigília no alto da cidade onde ficam as antenas. Nessa ocasião, ele afirma que caiu com a sua máquina fotográfica no chão ao tentar fotografar um OVNI. As testemunhas que o acompanhavam, saíram correndo e o deixaram sozinho no meio da vegetação quando viram o OVNI. Devido a isso, ele tentou acompanha-los e veio a sofrer esse incidente que ocasionou na sua queda. Essa ocorrência chegou ao conhecimento da Revista UFO, a maior publicação sobre o tema no Brasil. Ela disponibilizou um artigo sobre o caso na sua revista de edição número 66.

A Lenda do Encanto do Diamante

Essa é uma lenda muito conhecida entre os garimpeiros e nativos da região. Segundo esse conto popular existe uma forte sintonia entre os diamantes, o homem e os Astros. Alguns Garimpeiros afirmam, que para cada Diamante da terra existe uma estrela no céu. Esse diamante só pode ser encontrado, se as estrelas assim o permitirem ao Garimpeiro. Essa permissão quando é fornecida, é representada por uma forte luz que percorre as serras. Está luz para o garimpeiro, é o sinal de que ele terá sorte no garimpo. Quando isso acontece, eles costumam dizer que ocorreu o Bambúrrio, o sagrado triângulo entre o homem, o diamante e as estrelas.

Alguns ufólogos fazem referência a essa antiga lenda, principalmente a parte da luz branca das estrelas, como a forma que os antigos moradores do local interpretavam o que na verdade seria um avistamento de disco voador. Lembramos que atualmente a região é uma das mais ricas do Brasil do ponto de vista ufológico.

A Lenda da Pedra Viva

Essa também é uma lenda muito conhecida pelos garimpeiros da região. Os mais antigos afirmam, que cada diamante está predestinado a um homem. Este homem para merecer o seu diamante, deve manter o seu coração puro e longe da maldade. Devido a isso, os diamantes possuem o poder de aparecer somente para quem eles desejam. Segundo a Lenda, um garimpeiro com boas intenções pode ver um diamante no mesmo lugar, onde outros não conseguem. O diamante possui um brilho próprio, que o faz reluzir somente quando o deseja.

Lenda da Lagoa Encantada

Outra Lenda muito curiosa, é a Lenda da Lagoa Encantada. Uma jovem muito apaixonada, não teve o seu amor correspondido. Muito triste, ela se sentou a beira da Lagoa e após um tempo se jogou dentro dela. O plano de suicídio da garota não deu certo, inesperadamente o surreal aconteceu. Uma Síncope emergiu desde o fundo da Lagoa e salvou a garota. Ela teve o seu cabelo preso ao galho de uma árvore, mantendo assim a sua cabeça fora da água. Ainda viva a garota foi encontrada na Lagoa. O homem que ela amava se comoveu com o ocorrido, e foi em busca dela na Lagoa. Diz a Lenda, que os dois ficaram juntos após o episódio e viveram felizes.

A Lenda do Pai Inácio

A lenda que talvez seja a mais contada e conhecida até mesmo entre os turistas, é a Lenda do Pai Inácio. Tudo começou quando um escravo chamado Inácio, se apaixonou pela filha do seu Senhor. Após um tempo os encontros secretos dos dois foram descobertos, e o senhor condenou o escravo Inácio a morte.


Ele e a sua amada decidiram fugir juntos e subiram um morro. Já lá em cima, ao verem que não tinham mais para onde ir. Abriram um guarda-chuva e saltaram, os dois chegaram com segurança ao solo e não foram mais vistos. Deviso a isso, o morro ganhou o nome do escravo e passou a se chamar Morro do Pai Inácio.

Outras histórias

Essa é uma das versões mais convencionais e contadas da Lenda. Entretanto, existem outras menos conhecidas. Como a de que o escravo e a sua amada foram abduzidos. Durante o salto eles foram teletransportados para uma nave. Isso explicaria, porque ao saltar eles nunca mais foram vistos. Já outros afirmam, por exemplo, que eles passaram por um portal dimensional.

Poço encantado

Os mistérios da Chapada Diamantina - Câmera Record (03-06-2011)


Clique AQUI e assista o vídeo

Fontes: Ah Duvido, Wikipédia e Mochileiro Selvagem

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. Eu sempre soube que a chapada Diamantina possuía muitos segredos mas ñ esperava que eram tantos, agora mais do que nunca estou com mais vontade de conhecer o local.

    ResponderExcluir
  2. A Chapada Diamantina é um lugar impar. Tem que ir com tempo para poder conhecer bem, senão não vale a pena. Conheçam, quem curte tudo isto que está escrito na belíssima postagem sugerida pelo grande Sílvio não vai se arrepender. Mas como disse: precisa ir com tempo, pois a Chapada é grande, têm muita coisa para se ver.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave