12/07/2013

A fuga do demônio


Felizmente, é segunda feira e já me encontro no trabalho. Caminho a passos largos na direção do meu escritório. Entro e, imediatamente, ligo o computador e largo a minha garrafa de café sobre a mesa. Olho pela janela e avisto o primeiro andar da empresa e, com um aceno de cabeça, cumprimento alguns colegas. Posso ver a tela inicial do sistema operacional com o papel de parede sombrio e perturbador desenhado por Suzzan Blac. Com rápidos cliques inicio os programas que uso diariamente. Observo as anotações da semana anterior, derramo um pouco de café dentro da caneca azul e finalmente inicio o navegador de internet, mas algo não está certo: as palavras “servidor não encontrado” aparecem onde deveria aparecer a logomarca do “Google”. Suo frio. Com vigor, pressiono a tecla F5, e nada. Estou sem internet... Nesse momento, ouço uma sinistra gargalhada vinda das profundezas da minha mente. Sinto subir um frio pela espinha. – Estou ferrado. – penso comigo mesmo, ainda teclando repetidamente a maldita tecla. E uma voz conhecida, em tom zombeteiro, diz:



– Hoje você será meu, não adianta querer fugir. – Congelo. Sem internet, ele pode, realmente, conseguir me controlar. O reflexo escuro de minha alma pode, realmente, se colocar no lugar do piloto. Estremeço. Tento me acalmar em vão. Quando o horror toma conta da gente, nada racional pode ser feito para evitar o pior...

Preciso de doses diárias de assuntos sinistros para poder controlar meu lado negro, preciso do mal para acalmar o demônio que habita as profundezas da minha alma. As “creepypastas”, contos de terror, fotos de fantasmas, contos, histórias de “serial killer”, coisas macabras, vídeos fazem minha sombra interior se acalmar, mas preciso fornecer doses generosas de obscuridade. E essas doses têm aumentado cada vez mais, tal como um viciado em “crack”.

Finais de semana são sempre um tormento para mim por que não posso dar ao monstro o seu alimento. Afinal, preciso manter as aparências em relação à minha família, certo? O que eles pensariam se soubessem das coisas que leio e vejo na internet? Eles suspeitariam que algo está errado. Até bem pouco tempo, eu usava filmes de terror para saciar a besta, mas os filmes não surtem mais efeito, “essa droga se tornou fraca”. Desde que o monstro apareceu, não tiro mais férias. No trabalho, eu consigo disfarçar bem, tenho um escritório apenas para mim, onde a privacidade da minha sala me permite alimentar o demônio com total sigilo. Mas, pelo visto, hoje não será assim. Logo hoje, logo segunda-feira, o dia que a sombra parece ter mais força e mais fome. Temo não conseguir controlar a fera, tremo desesperadamente.

Lembro-me do celular e o pego com a intenção de saciar meus desejos via conexão 3G, mas o maldito aparelho exibe na tela, em letras grandes, “SEM ÁREA”.

– Meus “backups”. – Penso, sentindo um alívio interno. Conecto meu “pendrive” com certa dificuldade, errando por diversas vezes o orifício do “USB”. Com o dispositivo reconhecido, acesso, com cliques rápidos e firmes, os conteúdos que acredito que salvarão a mim e as pessoas ao meu redor. Meu triunfo dura apenas o tempo suficiente para eu descobrir que todos os conteúdos salvos já foram lidos, vistos e assistidos, em algum momento. Nem alívio esse material é capaz de me oferecer.

– Maldição! Como pude ser tão burro!? – Grito, atraindo a atenção de alguns colegas da produção da metalúrgica que, agora, encontram-se em silêncio; já é horário de lanche para os operários.

Pego o telefone e ligo para o departamento de comunicações da empresa, eles me informam que já estão procurando pelo problema. Continuo esmurrando o “F5” em vão.

– É perigoso eu continuar aqui. – Falo comigo mesmo, dessa vez, em voz baixa. Decido que o melhor a fazer é sair e procurar uma “lan house”. Não faço ideia, ou melhor, eu faço ideia das atrocidades que posso cometer se “ele” tomar o controle. Levanto-me, mas sinto uma fisgada nas costas e caio contra minha cadeira.

– Você só vai sair daqui quando eu quiser, ou melhor, quando eu estiver no comando.

– Isso, nunca! – Grito contra o demônio que, agora, sorri largamente colocando o dedo na frente da boca, como quem pede silêncio. Ele zomba de mim, posso vê-lo sentado ao meu lado fazendo caretas bizarras. Uma versão minha sem brilho no olhar, com dentes podres e pontiagudos, exalando o mal a cada respiração. Balanço a cabeça com vigor para desfazer a ilusão, mas ele continua lá, me imitando e achando graça dos meus gestos.

Estou preso à minha cadeira e permanecerei sentado aqui o dia inteiro, a menos que eu consiga retomar o controle total. Nisso, o telefone toca. Assusto-me. Do outro lado da linha, o rapaz que me atendera, há pouco tempo, me informa que estamos em meio a um “blackout” geral. Segundo ele, nenhuma cidade do estado possui sinal de internet. Desligo o telefone, suo frio, olho atônito para a tela do computador, sinto o maldito repousar os braços sobre meus ombros, posso sentir o seu bafo podre, quando ele sussurra em meu ouvido.

– Prepare-se, Fernando. Faltam algumas horas, apenas, para a gente sair e se divertir. Hoje, você terá uma longa, deliciosa e alucinante “Noite Sinistra”.

Autor: F.S.G.


A atormentada responsável por corrigir o texto dessa postagem...
Leilane Felgueiras - Estudante de Licenciatura em Letras e Formação de Revisores - Universidade Veiga de Almeida - RJ.
Facebook: Clique aqui para acessar
E-mail 1:  leilane.felgueiras@live.com
E-mail 2:  leilane.felgueiras@gmail.com

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr
Links Relacionados:
Conto de Terror: Espuma Noturna - Stephen King.
Conto de Terror: Metzengerstein – Edgar Allan Poe.
Conto  de Terror: O Homem do Cortador de Grama (Stephen King).
Biografia: Stephen King.
16 bons filmes baseados na obra de Stephen King.
Conto de Terror: Os bons Tempos - FSG.
Conto de Terror: Silêncio - Edgar Allan Poe.
Conto de Terror: A Tumba - H.P. Lovecraft.
Conto de Terror: Os olhos que comiam carne - Humberto de Campos.
Conto de Terror: A Máscara da morte rubra - Edgar Allan Poe.
Conto de terror: Berenice - Edgar Allan Poe.
A misteriosa morte de Edgar Allan Poe
O Corvo - Edgar Allan Poe (traduzido por Fernando Pessoa).
Conto de Terror: Colocação de Produtos - Chuck Palahniuk.
Conto do Leitor: O canal negro do suicida do You Tube.
Conto de Terror: Tripas - Chuck Palahniuk.
Mini Conto - Delírios Verdes.
Conto: Tudo por Amor.
Poema: Necrofilia.
Relatos dos leitores: Uma Noite Sinistra.
Conto do leitor: A Noite Sinistra.
Creepypasta: O jogo da Televisão.
9 Comentários
Comentários
9 comentários:
  1. Uhuuuu adorei Fernando! Muito bom!!! :D E qntos não se sentem assim por ai???

    ResponderExcluir
  2. uma eu deixei ele assumir o controle e quando acordei eu estava com tres mulheres na cama e eu mi perguntei o q foi q eu fiz tenho apenas 12 anos quando ele fala isso é só o começo eu tinha matado varias pessoas e até hje sou procurado meu nome é josé stenio sousa rocha filho e eu sou um demonio esse é o fato. hahahahahahahahaha

    ResponderExcluir
  3. Objetivo aleatório de férias cumprindo...
    depois de ler 90% do blog, eu senti falta de dicas de filmes...
    num dá pra voltar, era muito bom...
    posta eles na véspera do final de semana, pra ter tempo de ir atrás dos filmes...
    fica a dica de um grande admirador do seu trabalho no blog... ;):)

    ResponderExcluir
  4. sempre desconfiei de vc Nando kkkk mas tem uma coisa que eu acho,acho não tenho certeza ,mas não comento ....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai comentar que sou louco certo?...rsrsrsr

      Excluir
    2. Errado: Louco todos somos ...

      Ia falar que vc não trabalha kkkkk

      Excluir
  5. Alucinante o conto, eu pensava que vc nem trabalhava, so escrevia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente a internet não me confere os rendimentos necessários para me manter financeiramente...kkk. Quem sabe algum dia neah. Por hora o blog é uma diversão...

      Excluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave